sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Crônicas da Minha Vida (185) + Poema


.: POEMA :.

O que é a saudade?

É uma palavra unicamente existente na língua portuguesa?
É um sentimento que causa suspiros de nostalgia?
É fitar o horizonte além do vidro da janela?

O que é saudade?
É isso tudo e mais um pouco.
É um sentimento constante de ausência, de melancolia, de desejo pelo retorno de uma pessoa imprescindível, de ansiar pela presença e abominar a distância.
É um sentimento macambúzio de incompletude.

O que é a saudade?
É a saudade-branca, é a saudade perpétua dos campos e das vinhas.
É o amor que perdura.
É o trinta de janeiro.

O que é a saudade?
É a palavra do Cancioneiro da Ajuda.
É a nossa herança portuguesa.
É olhar um retrato e sentir júbilo mesclado com aflição.

O que é saudade?
É das contradições, a maior de todas.




.: CRÔNICAS DA MINHA VIDA (185) :.

1760.
Co: O seu primo e a namorada dele já têm uma música?

F: Não que eu saiba.

Co: A gente também tinha uma música.

F: Sério? Nem sabia! Qual era a nossa música?

Co: You Talk Too Much (risos).

1759
.

F: Mulheres me acham irresistível.
Co: Não, não achamos.
F: Você achou.

Co: Foi uma exceção.
F: Todas às quinze vezes?

1758
.

CW: ("dramática") Eu já me conformei em ser burra para sempre e trabalhar vendendo doces nas rodoviárias.
F: (brincando) Bem, você já tem o lado dramático de uma diva, só falta à fama (risos).


1757
.

F: Tá aí uma coisa que eu NUNCA faria:
furar o olho de um amigo.
Ln: [Srta. Insegurança].

F: [Ex-namorado da Srta. Insegurança] nunca foi meu amigo, era conhecido e colega, no máximo, amigo de um amigo. Além do mais, eu nunca nem abracei a [Srta. Insegurança] ANTES de ela ter TERMINADO com ele.
Ln: Tá, né (risos).


1756.
Ln: Você foi falar da Kelly Key, [e] agora eu tô vendo os clipes dela.
F: Se for no mudo, eu aprovo.

1755
.

F: Tá, e qual é a capital da Noruega?
Lu: Não sei, mas não é a Dinamarca.

F: É Oslo. E a da Dinamarca?

Lu: Copenhague.
F: Boa menina.
Lu: Essa é fácil.
F: Tá, [você] quer que eu aumente o nível e faça outra pergunta, então?
Lu: Não, obrigada. Quero parar enquanto estou em cima.

F: Engraçado.

Lu: O quê?

F: Isso que você disse de querer parar enquanto está por cima.

Lu: Ah, morri [de rir].
Agora que entendi (risos)!

1754
.

Ma: Cara, eu acho que sou muito intenso em relação à mulher.

F: Você ACHA? Mano, você só faltou saltar no pescoço do [censurado] porque ele disse que a [censurado]² era gostosinha! E você ainda só estava gostando dela!

1753.
Ma: Tô a fim de ir para Curitiba a pé.

F: Isso é muito Forrest Gump da sua parte.

1752
.

Ma: (falando de quando for visitar a sua excelentíssima) Eu vou levar flores, e dar para a [excelentíssima] na frente da minha sogra. Ganhar moral.
F: Boa estratégia. Eu tenho que admitir, no entanto, que, ah, pensei besteira quando li “e dar para a [excelentíssima] na frente da minha sogra”, soou muito voyeur.
Ma: Filho da puta (risos)!

1751.
Ma: O [grande mano esbranquiçado] não tem jeito: nem cheguei em Belém, [e] o cara já quer me levar para o puteiro.
F: Nosso mano não muda nunca, é incrível (risos)!

1 comentários:

Camila Wu disse...

a saudade é a coisa mais idiota que existe.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.
ESTÚPIDA.

Seu post novo (acima desse) tá demais. sem mais.

Postar um comentário