segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Crônicas da Minha Vida (184) + Devaneio



.: DEVANEIO :.


— Aí está uma coisa que eu nunca entendi: por que as pessoas ficam paradas em frente à geladeira? É a umidade, é a luz, são ambos?
— Agh... Para de me encher.
— Não dá. Eu sou seu irmão, por definição, eu tenho que encher a sua paciência. Está escrito lá no Código, na verdade, houve reunião do Clube dos Irmãos Mais Velhos outro dia, duvido você adivinhar o novo método de bisbilhotar conversas telefônicas que o Ricardo inventou.
— Dá para parar com a palhaçada? É sério. Eu estou irritada.
— E qual é o motivo de tanta irritação? Além de mim, é claro.
— Nada! É só que...
— “É só que...”?
— Bem, tem esse menino...
— Whoah! Não, não, pare aí mesmo! Eu não quero saber nada de meninos! Para mim, você é uma menininha de cinco anos e maria-chiquinha segurando uma boneca da Minnie que tem cinco vezes o seu tamanho!
— Vai ficar fazendo gracinha, ou vai me escutar?
— Não posso fazer os dois, não?
— Não, não pode.
— Ah... ... ... OK. Eu vou escutar. Nada de gracinhas.
— Ótimo. Então, tem esse menino, o Kaíque...
— Ah, Kaíque. Nenhum moleque com esse nome presta! Minha amiga, a Aline, certa vez namorou um Kaíque, e, ah, caramba, você nem imagina a confusão que deu...
— Felipe! Dá para prestar atenção, pô?
— Dá, dá. Desculpe, continue. Prometo não interromper mais. Diga. Fale. Speak.
— Pois é; a gente estava se curtindo...
— Em nome dos cuecões do nosso tio Mauro! O que você quer dizer com “a gente estava se curtindo”, hein, menina?
— Conversando, dialogando, trocando uma ideia, batendo um papo, rindo, se divertindo, se dando bem, etc, etc, essas coisas.
— Feliz em saber que esse seu “curtindo” tem essa conotação. Enfim, continue.
— E daí que de repente as coisas mudaram, ele começou a falar para mim de umas meninas que estavam querendo dar para ele, de como elas morriam de amor por ele e isso e aquilo e acolá, falou uma pancada de coisas desse tipo. Lorena falou que ele só estava fazendo isso para me deixar com ciúme, ela me disse para tomar uma atitude, ser mais agressiva, mostrar minhas intenções e tudo mais para ele sentir que o interesse é mútuo e, bem, eu tentei fazer isso, mas... Não funcionou muito bem.
— Eu espero do fundo do meu coração não me arrepender de perguntar isso, mas diga aí, criatura de olhinhos pequenos, o que você fez?
— Eu cantei para ele.
— Como assim você cantou para ele? Fez que nem o Heath Ledger em Dez Coisas Que Eu Odeio Em Você?
— Ótimo filme. Ótima cena. Ele era lindo, uma pena que morreu. Mas não. Não assim. Foi uma coisa mais reservada, cantei no microfone — ah, Felipe, claro que não é esse microfone! Microfone do computador, oh, mente poluída! Cantei no MSN para ele.
— Tá, e, uh, cantou que música?
All I Want Is You.
— Discrição é superestimada. U2, Kimya Dawson, Jon B.?
— Kimya Dawson, né.
Juno é um filme tão legal, tenho uma amiga que é alucinada por esse filme, eu creio que seja mais pelo Michael Cera do que por qualquer outra coisa, mas, enfim, isso não vem ao caso.
— Não, não vem mesmo.
— Mas e como ele reagiu? O que ele disse?
— Ele disse que eu tenho uma voz bonitinha e então começou a falar de como a Tuani fez uma espanhola nele.
— Qual é mesmo a idade desse menino?
— Dezesseis.
— Ah, está fraco. Com dezesseis anos eu já fazia 69 em pé com a Raffaela.
— Ew! Nojento! Informação demais!
Sorry. É o hábito de falar abertamente de putaria com meninas. Por um breve instante eu me esqueci de que estava falando com a minha irmãzinha bochechuda de olhos pequenos. Seja como for, eu não sei como isso te fez vir parar aqui na cozinha, defronte para a geladeira.
— Eu estava aqui para pensar. Eu não sei mais o que fazer. Como ele pode não notar que eu estou INTERESSADA nele? De vez em quando sinto como se ele estivesse me fazendo de otária...
— Uma amiga, a que tem uma paixonite pelo Michael Cera, diria que sim, que você está sendo feita de otária e, muito provavelmente, chamaria o cara de filho da puta. Eu, no entanto, tenho outra teoria.
— Pode compartilhá-la se quiser.
— Oh, eu ia compartilhá-la mesmo que não quisesse. Então, a minha teoria é: ele é um idiota de categoria maior, porque somente sendo um idiota de categoria maior para não perceber o tesouro de menina que está debaixo do nariz dele. Siga em frente, minha irmãzinha, há outros caras no caminho e alguns deles podem até merecê-la. Sério, sério. Sentindo-se melhor?
— Por mais incrível que pareça: sim, sim. Obrigada!
— De nada. Agora me dê o endereço desse rapaz.
— Para quê?
— Para eu fazer uma visitinha a ele.
— Tá, explique.
— Ele magoou a minha irmãzinha, então eu vou lá quebrar as pernas dele. É isso que nós, irmãos mais velhos, fazemos com quem magoa nossas irmãzinhas: nós damos um jeito no indivíduo.
— Faça parecer um acidente.
— Boa menina!


.: CRÔNICAS DA MINHA VIDA (184) :.

1750.
Co: Você tem a lealdade e a necessidade de atenção de um cocker spaniel.
F: Essa é a primeira vez que alguém me chama de cachorro como se fosse um elogio (risos).

1749.
CW: O que você marcou naquela questão diabólica [do ENEM] sobre picadas de cobra, doença de ratos e febre amarela?
F: Vacina para vírus, soro para picada de cobra e antibiótico para bactéria.
CW: Vacina para febre amarela?
F: É, é. Febre amarela é uma doença viral.
CW: Então não zerei a prova. Tô feliz.
F: Comemoramos o seu não-zeramento da prova, daremos uma festa à fantasia, vá de Chapeuzinho Vermelho (piscadela).

1748.
CW: (conta um ocorrido).
F: Eu cito um amigo indiano, o [censurado]: “Karma is a bitch, baby”. Originalmente, ele falou “dude”, mas você não é um cara, é uma menina e uma muito lindinha, daí troquei pelo “baby”, enfim, mais uma informação que “mudou” a sua vida (risos).
CW: É, realmente (risos).

1747.
F: Então, saí ontem à noite com a tal estudante de Arquitetura. Incrível como eu só atraio meninas malucas.
CW: Ela é maluca (risos)?
F: Ela é maluca. Ela é complexada com a irmã mais velha dela que é médica. Acredita que ela passou TRÊS horas inteiras reclamando da irmã? Só não reclamava quando tinha algo na boca!
CW: (gira os olhos).
F: OK, primeiro, nós saímos para jantar e depois para dançar, ou melhor, para ela dançar e eu balançar o corpo de um jeito estranho, segundo, que pensamento feio, [censurado]! Mas que mente poluída, essa sua é!
CW: Mas eu não disse nada!
F: Não falou, mas pensou. E eu li o seu pensamento (piscadela).

1746.
F: Aparentemente, eu tenho o hábito de salvar o mundo.
Lu: Já percebi isso (risos).
F: Por que todo mundo diz isso?
Lu: Porque sim, ora.
F: Ai, ai, ai (imitando o Alfa V).
Lu: Alfa V?
F: Uau! Eu sou assim TÃO mais velho que você?

1745.
Ma: Não acha que já passou da hora da ressaca amorosa dele [nosso grande mano esbranquiçado]? Que tá na hora de se relacionar de novo, amar alguém, de parar de se preocupar em errar de novo?
F: Mano, sinceramente, eu acho que sim, já passou o tempo da ressaca, mas... Cada um com o seu jeito de lidar com o luto amoroso, né? O meu, por exemplo, foi transar com quarenta e sete meninas.
Ma: Quarenta e sete?
F: Sim, sim, quarenta e sete.
Ma: Bro, give me a high five (liga a webcam).
F: (liga a webcam) High five, não. High ten (risos).
F & Ma: (fazem o webcam high ten).
F: Nós temos que fazer isso mais vezes (risos).

1744.
Ma: A [minha ex-namorada] eu namorei por apenas três semanas. Ela tinha crazy eyes.
F: Dizem que o sexo com meninas de crazy eyes é um dos melhores que tem. Eu afirmo isso.
Ma: Bem, ela não foi lá essas coisas, mas foi bom. Ela me deixou ir por trás.
F: Com carinho?
Ma: Não (risos).

1743.
Ma: (mostra uma foto dele com sua excelentíssima).
F: Meu irmão gêmeo de outra mãe, você está trollzão como nunca, mas, caramba, essa menina é linda! Faço gosto, bro! Faço gosto! Ééééééégua, ela é MUITO linda!
Ma: Como assim “trollzão”?
F: É um eufemismo aceitável para “feio”.
Ma: (risos).
F: Enfim, meu irmão gêmeo de outra mãe, esse é um dos momentos em que eu sinto orgulho de te chamar de “meu irmão gêmeo de outra mãe”, QUEMENINALINDA!
Ma: (risos) Eu sou um fodido [de sorte].
F: É mesmo! É sim!

1742.
F: Daremos print [do webcam five] da próxima vez, em que “da próxima vez” = quando estivermos mais apresentáveis e com cara de quem acabou de acordar.
Ma: Quando eu transar com ela [minha excelentíssima], a gente [eu e você] faz [o webcam five] de novo (risos).
F: OK, mas apenas porque você — e os fluidos que estiverem na sua mão — não vão me tocar diretamente.

1741.
Ma: Bro, eu já te falei da boa [notícia]?
F: Você já me falou de muitas boas [notícias], diga qual é essa daí.
Ma: Da [minha excelentíssima].
F: Do vídeo que ela fez, dos comentários dela acerca do vídeo que você fez?
Ma: Well, she likes me.
F: Ela falou isso com todas as palavras?
Ma: Yeah. Eu disse primeiro, depois ela disse.
F: [Censurado], meu irmão gêmeo de outra mãe, se eu bebesse e houvesse uma garrafa de champanhe aqui, eu abri-la-ia para brindar virtualmente com você.
Ma: (risos).
F: Ah, para o inferno, ligue sua webcam, webcam five!
F & Ma: (ligam a webcam e fazem um high five).
Ma: (risos).
F: OK, essa foi a gala sequice mais divertida que a gente já fez junto em anos!


1 comentários:

Paju Monteiro disse...

Tenho um desafio ao meu padrinho...
Apareça:http://pajux.blogspot.com/

Postar um comentário