quinta-feira, 1 de julho de 2010

Crônicas da Minha Vida (149) + Devaneio + Conto



.: Devaneio :.


Eu tenho uma sobrinha, ou melhor, o meu primo tem uma filha que eu considero como sendo minha sobrinha apesar de ela ser, tecnicamente, minha prima de segundo grau, enfim... Eu tenho uma sobrinha, ela ainda é uma criança, portanto ela acredita no Papai Noel, na Fada do Dente, no Coelhinho da Páscoa, etc, etc, ela acredita nessas mentirazinhas, nessa fantasia inocente. No futuro, alguém virá e contará para a verdade para ela, fá-la-á saber que nada disso existe, entretanto o aprendizado prático continuará lá — como assim “aprendizado prático”? Eu me refiro, logicamente, a capacidade de acreditar na fantasia, por ter crido nessas mentirinhas quando criança, ela poderá crer nas mentiras da vida adulta como Justiça, Misericórdia e Dever. Antes de você, pessoa altamente moralista, me condenar por assumir que esses conceitos não passam de ilusões, responda-me: se eu pegar o Universo e moê-lo até transformá-lo no mais fino de todos os pós e separá-lo com o mais eficiente dos aparelhos para executar essa tarefa, poderei encontrar um átomo de Justiça, um átomo de Misericórdia, ou mesmo um átomo de Dever? Humanos... Nós precisamos da fantasia para transformar um fragmento de um condrito carbonado aquecido pela entrada atmosférica em uma estrela cadente, para transformar uma entrada em um pedaço enorme de granito em uma caverna sombria assombrada por monstros... Humanos... Nós precisamos da fantasia para ser humanos.

.: CONTO :.

1400.
F: Ah, mano, mais uma coisa antes de eu me ir [dormir]... Nós nos conhecemos há dez anos e eu percebi ontem que tem algo que eu nunca te disse... Eu te amo, mano. Você é o melhor irmão que um cara com complexo de messias poderia ter.
P: Te amo também, irmão. Você também é o melhor irmão [que um cara tão paranoico quanto eu poderia ter]. We live forever... Until tomorrow!

1399.
F: Acabei de me lembrar de um fato engraçado: no começo do ano, eu comentei o seguinte para o meu primo, “Engraçado, ano passado eu passei o primeiro semestre enrolado com uma moça, no segundo semestre você quem ficou enrolado e agora, nesse início de ano, esta enrolado de novo... Isso quer dizer que eu vou me enrolar no semestre que vem?".
P: E cá estamos [depois de você ter ficado com uma moça].
F: E cá estamos.
P: Você esta semienrolado, o que quer dizer que há algo que acontece no Universo que até nós, céticos, temos que engolir, que não tem explicação, algumas pessoas chamam de sinal divino, outras de macumba, e alguns de destino.
F: Mano, se eu aprendi alguma coisa nos últimos um ano e meio, é que você não pode atribuir um significado cósmico para um simplório evento terreno — coincidência, é tudo apenas uma grande coincidência.

1398.
F: Falando em bebedeira, uma amiga minha esta passando por um treinamento árduo para aumentar a resistência, o objetivo dela é beber uma garrafa inteira de absinto sozinha.
Ju: Nossa, essa é guerreira! Como ela esta indo?
F: Bem, agora que ela esta conseguindo aguentar duas latinhas de cerveja.

1397.
Ju: Ai, beber antes de sair é o melhor (risos).
F: Eu não posso reclamar, afinal, certas coisas ficam mais fáceis assim [quando as moças bebem antes de sair].
Ju: Adoro esses seus comentários.
F: (rindo) Eu estou cheio deles.

1396.
F: Falando em cabelo, o meu que tem estado sensacional ultimamente.
Ju: Ah, o teu cabelo é bonito.
F: Sim, sim, eu sei, por isso que o cabelo tem estado sensacional, isto é, mais do que bonito (nem sou arrogante).
Ju: (rindo) Como eu disse, teu charme esta na modéstia (risos)!

1395.
Ju: Gente, o cabelo da [censurado] tá MUITO estranho.
F: Acredite-me, houve uma época em que esteve muito pior.
Ju: Tô traumatizada, o cabelo dela era lindo, pô, liso assim, bonitão, tá parecendo aquele cabelo pixaim agora. (pausa) [Tô] Me sentindo comentando com a melhor amiga (risos).
F: OK, eu não sei se eu me sinto elogiado, ou coisa parecida, com isso.
Ju: Puxa, por quê (risos)?
F: (sarcástico) Por que será? Oh, bem, eu apostaria no termo feminino da frase.
Ju: Ah, que besteira, é melhor do que Evaristo.
F: Olha, te confesso que eu prefiro Evaristo a “melhor amiga”.
Ju: Puxa, melhor amiga! Se fudeu então (risos)!
F: (rindo) É a minha história: vivendo e se fudendo.

1394.
Ju: Tá vendo? Homens só pensam com a cabeça de baixo.
F: Oh, bem, disso vocês [mulheres] não podem reclamar, afinal, a felicidade de vocês, em sua maioria, também depende da [nossa] cabeça de baixo (piscadela).
Ju: (owned) Verdade.
F: Incrível como as minhas respostas ficam cada vez melhores, né?
Ju: FATO.
F: Yep, é divertido ser eu.

1393.
F: Minha irmãzinha, agora eu vou te ensinar uma cantada infalível que somente caras que não prestam — assim como eu — usam. Detalhe: eu vou te ensinar para que você não caia nela, OK? Pois bem, o cara esta conversando normalmente com a menina, daí de repente ele segura o rosto dela, olha no fundo dos olhos e solta um comentário assim “Mas não é verdade que você tem olhos castanhos!”.
Fa(i): O que tem os olhos castanhos?
F: Nada. O segredo esta na proximidade do rosto; é como o Hitch falou no filme: o homem tem de ir 90%, os 10% restantes quem vai é a mulher. Por sinal, te dou um pisão se você fizer os 10%.

1392.
*em um aniversário*
Fa(i): Por que aquela menina de vestido preto esta usando um sapato rosa-cheguei-fui-embora-voltei-sair-para-tomar-um-pouco-de-ar-fresco-e-agora-tô-aqui-de-novo?
F: Porque assim ela fica fácil de localizar e não acontece o que aconteceu com o teu amigo [perder a carona porque ninguém o encontrava na festa].

1391.
F: OK, tirando a parte de gostar de fazer jogos cruéis com os amigos e com a família, as tendências bissexuais e o amor por controle e manipulação, eu admito que eu sou um tantinho parecido com o Tony Stonem.
PV: (sacaneando) Ah, mas era por isso mesmo que eu te comparei a ele.

2 comentários:

Helder disse...

esse teu texto me remete ao video "dance monkey dance"... muito bom... como você mesmo diria "sensacional"

Ju disse...

Adoooooro meus 70%, heim!

E se não posso comentar por msn, cá estou.]Ai meu deus, já disse que sou sua fã?

Postar um comentário