domingo, 13 de junho de 2010

13 de Junho: um feliz aniversário para mim



Vinte anos.

Vinte anos de Belém, de promessas, de incertezas, de boas lembranças.


Vinte anos de magia, de distância, de gentilezas, de aventuras estranhas.


Vinte anos de risadas, de peculiaridades, de momentos embaraçosos, de bobagens.


Vinte anos de grandes amigos, de grandes romances, de grandes descobertas, de uma grande vida.


Vinte anos.

Para todas as pessoas que estiveram ao meu lado durante todo este tempo, muitíssimo obrigado, e como agradecimento, fiquem à vontade para rirem de algumas das minhas grandes mancadas, vocês merecem:

01.
R(p): Sim, caralho, aprende a falar sem rodeios!
F: Você me conhece a minha vida inteira, eu falo em rodeios!
R(p): Então por que você não vai ser locutor em Barretos?

02.
F: Preciso urgentemente de um pé de coelho.
J: Se pé de coelho trouxesse sorte teria dado ao coelho.

03.
F: Você-Sabe-Quem está puto comigo?
P: Sim, mas eu não me preocuparia ainda se fosse você.
F: Por que não?
P: Porque ele primeiro quer dar cabo do Harry Potter, você vem depois.

04.
F: Caramba, eu tenho que parar de responder as coisas como se estivesse vivenciando a cena mais emocionante de um filme!
R: Por que você age assim? ... Não responde!

05.
Rn(p): Eu fiz a besteira, então eu preciso encarar as consequências.
F: Isso é muito Cameron Frye da sua parte.
Rn(p): Quem?
F: Ah, qual é! Eu sou apenas dois anos mais velho do que você!

06.
F: Você caiu em cima dela como uma manga no para-brisa!
P: Certo, eu não farei mais isso.
F: Sim, você fará.
P: Mais uma razão do por que essa conversa é sem sentido.

07.
F: O melhor método anticoncepcional é aquele que a [censurado] usou comigo quando eu a chamei pra sair no 2º Ano.
P: E qual foi?
F: Ela disse “não”.

08.
J: Felipe, todo mundo tem um dom, basta descobri-lo e aproveitá-lo, você, por exemplo (olha para mim, que na ocasião estava vestindo uma fantasia laranja de cachorro), não tem vergonha, certo?
F: Também te amo, mano.

09.
L(pp): Minha irmã terminou com o namorado dela.
F: Bem, então eu finalmente posso dizer isso: eu odiava aquele cara! Caramba, que cara chato! Todo aquele jeito de intelectual era um saco!
L(pp): Ééééé, eu estou mentindo, eles continuam juntos. Só queria saber qual era a sua opinião de verdade.
F: Sabe, ele é um cara realmente bacana, todo aquele jeito de intelectual e tudo mais...

10.
F: Tô com vontade de comemorar.
P: Abre um xampu e joga no cabelo, começa a dançar La Cucaratia nu lá na frente da sua casa.
F: A vizinha ia gostar.

11.
*devaneio*
F: (vestido como Robin) Santo complexo de inferioridade, Batman! Até na minha imaginação eu sou o coadjuvante.
P: (vestido como Batman) Poderia ser pior, ao menos você não é o Alfred.
F: (vestido como Alfred) Que droga... Senhor.

12.
F: Podemos esquecer os meus defeitos e falar das minhas virtudes?
Mn: Tudo bem. Que virtudes?
F: (pensa por um momento) OK, de volta aos meus defeitos...

13.
A: Tente não “felipar” muito sobre isso [falar ou não falar com a namorada de um primo chato].
F: Desculpa, mas você acabou de usar o meu nome como um verbo?
A: Sim. Eu faço isso pelas suas costas. Por exemplo, “felipar” seria algo como “pensar excessivamente sobre algo, considerar todas as possibilidades, mas no final não fazer nada”. Numa frase: “Júlio ‘felipou’ quando...”.
F: OK, eu entendi.

14.
F: O que você está procurando?
R(p): (mexendo nas gavetas de uma cômoda) O mesmo que você: amor, aceitação, os números da loteria...

15.
F: Eu não vou ser sugado pelo vórtice da sua insanidade dessa vez.
P: Sim, você vai.
F: (pensa por um momento) Sim, eu vou.

16.
R: Por que eu ficaria [continuando a conversar com você apesar de já estar muito tarde]?
F: Porque eu tô pedindo com jeitinho.
R: Humm... Não.

17.
F: Eu tô horrível nessa foto.
Fa(i): Não, você está como sempre está.

18.
F: Ah, falando nelas [a tia e a mãe], quais seus nomes?
P: Fu.
F: “Fu”? Pato Fu?
P: Fu-Mi-Ga. É uma.
F: Fumiga?
P: Sim, uma delas se chama Fumiga.
F: Só pode ter sido promessa!
P: Talvez.
F: Ou então a vovó da [censurado] estava muito puta depois do parto!
P: Quem sabe... E o outro nome é tão bizarro quanto.
F: [censurado]?
P: Não.
F: Qual é o outro nome?
P: Ota.
F: “Ota”? O nome da mulher é “Ota”?
P: Otafumiga.
F: (olhar assassino).

19.
F: Ele até pode não se encaixar na definição de herói da sociedade, mas ele é o herói que eu precisava. O herói que me ajudou a me recuperar do desastre que foi o meu quase pedido de namoro e que me deu esperança para tentar outra vez. Ele vive nas sombras. Seria ele um sonho? Verdade? Ficção? Condenação? Salvação? Ele é todas essas coisas e nenhuma delas. Ele é... O Taxista.
J(p): De quem diabo você está falando?

20.
L(pp): Uh, Felipe, eu tenho uma coisa para te contar.
F: Conte, conte.
L(pp): Encontraram aquela foto.
F: (de olhos arregalados) NÃO!
L(pp): Eu sabia que esse dia chegaria...
F: (atônito) Por quê?
L(pp): Porque eu não a escondi direito...

21.
Co: Olá, estranho! Quanto tempo! Como você tá?
F: Humm... Resposta resumida ou na íntegra.
Co: E lá faz diferença? Você vai responder com um texto de um jeito ou de outro.

22.
F: Seria a pior coisa do mundo se eu ligasse para ela?
Ca: Não, não. Seria a quarta pior coisa do mundo. Número um, um asteroide atinge a Terra. Número dois, uma segunda Era Glacial. Número três, todo o trabalho do Milton Santos desaparecer do mundo. Número quatro, Felipe ligar para a Mulher Insegurança. Número cinco, a [censurado] ser comida por um tubarão.
Ba: Eu sou a [censurado] e concordo com a ordem dessa lista.

23.
F: Então, minha amiga, diga aí: como você se tornou essa vadia cruel e sem coração que é hoje?
Ca: Cara, você não deveria ter perguntado isso... Vai se arrepender.
Ba: Tudo bem, eu respondo. Quando eu era pequena, tinha um cachorrinho, Toby, que era a coisa mais fofa do mundo, nossa, como eu adorava aquela bola de pelos! Enfim, logo depois de eu ter feito sete anos, o veterinário disse que o Toby precisava ser sacrificado, eu chorei e chorei; daí no dia em que ia acontecer o sacrifício, o veterinário me disse que tinha um jeito de salvar o Toby.
F: Ah, que bom!
Ca: (ao mesmo tempo) Ela não terminou a história...
Ba: (ao mesmo tempo) Eu não terminei a história. (continuando) Só que houve um efeito colateral: após a cirurgia que salvou o Toby, ele se transformou numa tartaruga e se esqueceu de todos os truques que eu tinha ensinado para ele.
F: (engole em seco) E, uh, quanto tempo você demorou em...
Ba: Mais do que eu me orgulharia de dizer.
F: (arrependido) Desculpa, desculpa!

24.
F: Se você fosse um pássaro, para onde voaria?
Ba: (muito puta) Para o ventilador de teto.

25.
F: É isso aí, desisto. Não sei mesmo o que ela está pensando. Já falei com ela, estudei-a, pedi para que ela me estudasse. E tenho de admitir que voltei à estaca zero. Não que eu me queixe da estaca zero, é a única estaca que tem um número, pelo menos eu sei em que posição eu estou, quer dizer, não tem isso de alguém se dar mal e voltar para a estaca sete.
Jo: (tirando os fones dos ouvidos) Desculpa, por acaso eu vou ganhar alguma coisa se FINGIR que me importo com isso?

26.
F: Aparentemente, a [censurado] e aquele “seu” menino de cabelo legal estão namorando.
J(p): Que legal! Olha a minha cara de quem se importa (sorriso sarcástico)!

27.
F: Eu não entendo! Por que essas coisas acontecem comigo? O que eu fiz para ser tão azarado assim!
Tio: Meu querido sobrinho, eu vou te contar um segredinho: você não tem azar, a razão de coisas ruins acontecerem com você é porque você é um imbecil.

28.
J(p): The Mirror é pesado.
F: Sim, sim, principalmente o da [censurada], eita, coisinha difícil de carregar!
J(p): (com desaprovação) Péssimo trocadilho.

29.
F: Bem, é como o filósofo Jagger disse certa vez, You can’t always get what you want.
Co: Ele também disse But if you try sometimes, yeah, you just might find you get what you need!.

30.
P: Olha, sinceramente, mano, ela sente um amor além da conta por você, logo eu sugiro que ela gosta de você, ou tá começando a gostar, literalmente.
F: (estupefato) Eu não acredito que tô chateado porque você disse isso.

31.
Da: Por que nós deveríamos sair juntos?
F: Ah (arriscando) Porque nós nos sentimos atraídos um pelo outro.
Da: Eu me sinto atraída por bolo chocolate, mas eu não tenho vontade de sair com um!
*horas mais tarde*
De: Ela disse isso?
F: (acenando positivamente com a cabeça).
De: Uau! Não sabia que ela [a minha irmã] podia ser tão má!

32.
F: Eu não mentiria para você!
Co: Sim, você mentiria.
F: (pensa por um momento) Sim, eu mentiria.

33.
T(p): Ela é muito bacana, uma garota muito legal mesmo. Eu ia ficar com ela e tal, mas na época que ela tava na [universidade] e éramos inseparáveis, ela tava namorando, e ela só terminou com o carinha depois que saiu da [universidade].
F: Ôpa, [censurado]inho, se você ainda estiver interessado, me avise que eu tiro o pequeno equino da precipitação pluviométrica.
T(p): (risos) Pode ficar com a Rapidash na chuva, eu não tô mais interessado.
F: Ei... Peraí... Rapidash na chuva fica sem fogo!

34.
*na fila para pegar a nota do Simulado*
F: (finge estar falando no celular) [Bruno] Gagliasso, meu amigo! E aí, como você tá? Ah, beleza. Pode contar comigo (fecha o celular). (olha para a [censurado]) Você sabe que isso foi um telefonema de mentira, né?
Da: Sim, e eu também sei que você não faz a menor ideia de quem é o Bruno Gagliasso.
F: (arriscando) Ele não é aquele cara que apresenta o Vídeo Show?

35.
P: E aí, como foi o encontro no domingo?
F: Não foi. O meu primo me deixou na mão, não falou com ela.
P: Aí você ficou, literalmente, na mão (risos).

36.
P: Para de ficar pegando calendário!
F: OK, você vai ter que nos explicar essa metáfora.
P: Pegar calendário para ficar comparado dia do ano, signo, posição disso e daquilo...
F: Sério, mano, você deu uma longa volta nessa metáfora!
T: Como se você fizesse diferente!

37.
P: A realidade dói.
F: Sim, sim. Não dói tanto quanto outras coisas, mas dói bastante.
P: Vou nem comentar esse seu comentário.

38.
F: Não faça isso, não generalize, nem todos os homens são lixo.
*20 minutos depois*
Pseudopegador: Ei, você tem um espelho no seu bolso?
Co: Não, por quê?
Pseudopegador: Porque eu já consigo me ver dentro das suas calcinhas.
Co: (enojada, ela olha para mim, o qual estava ao lado no momento).
F: OK, eu admito, nós todos somos lixo da pior espécie possível.
Co: (sorrindo) Encerro o meu caso, meritíssimo.

39.
F: Caramba! Faz tempo que não falo contigo, moça! E aí, como vão as coisas?
Ba: Meu papagaio morreu.
F: (silêncio profundo).

40.
Co: Eu e o Felipe? Não, não, não, não, não, não, não, não, não, não, não, não, não.
F: (indignado) Sério? Treze vezes “não”?

41.
Ba: Quem era aquela?
F: Ninguém, “apenas” a menina que eu pedi para casar comigo quando tínhamos cinco anos.
Ba: (silêncio).
F: (silêncio).
Ba: Sim, e o que ela disse, porra?!
F: Ela disse “não”.
Ba: Caralho! Seu “sucesso” com as mulheres vem desde aquela época, hein!

42.
Tio: (reencontro após nove anos) Não foi você quem caiu no chafariz do shopping?
F: (abaixa a cabeça, envergonhado) Sim, tio, fui eu.

43.
Menininha: (no Insano): Moço, tá com medo?
F: Você não faz ideia, filha.

44.
Rf(p): (cantando) When I find myself in times of trouble / Mother Mary comes to me / Speaking words of wisdom, let it be.
F: (empolgado, começa a cantar também) And in my hour of darkness / She standing right in front of me / Speaking words of wisdom, let it be.
Rf(p): (olha para mim).
F: Sim, eu sei: a minha voz é completamente desafinada.

45.
Fa(i): Mamãe, por que todo dia eu tô acordando às 7h e aí fico me revirando toda até dormir de novo?
Mãe: Porque você já quer ir pra aula.
F: Mãe, por que todo dia eu acordo ao meio-dia e fico querendo dormir de novo?
Mãe: Porque você é preguiçoso!

46.
F: Humm... [censurado], me dá uma “ajuda pançuda” aqui, o que eu escrevo pra ela?
Fa(i): Sei lá, pergunta pra sua pança.

47.
F: (vencendo uma corrida) Hah! Eu sou o homem mais rápido do planeta!
Jo: (perdendo uma corrida) E é por isso que você não tem namorada.

48.
F: Isso é conjuntivite, tersol ou olhos inchados de passar a noite chorando por falta de um grande amor?
Jo: É o feito do soco que eu levei ontem no bar.

49.
F: Jerry Siegel e Joe Shuster acertaram em cheio: há a mulher que é o amor da sua vida e há aquela por quem você é eternamente apaixonado, com um pouquinho de sorte, elas podem ser a mesma pessoa.
Co: Eu tenho um trevo de quatro folhas, você quer emprestado?

50.
Co: Então, como vai com a espiã?
F: Aparentemente, ela gostou das minhas pernas.
Co: Humm... Fetiche por palitos de dente?

51.
Ba: Caramba, você tá horrível!
F: Bem, eu passei a noite em claro com a [censurada] comparando para ver quem tem a vida amorosa mais patética. A boa notícia é: (sorriso) eu ganhei!

52.
Co&Ba: (brigadas).
F: OK, suas estúpidas, prestem atenção: vocês duas são melhores amigas desde aquele bendito dia em que eu as apresentei no shopping! Sério, nunca vi duas mulheres serem tão grudadas sem estarem namorando! Durante quatro malditos meses eu fiquei separado do meu melhor amigo e certamente não quero que ninguém tenha que passar por isso, nem o meu pior inimigo, então parem de besteira, façam as pazes e se abracem! Humph!
Co&Ba: (se entreolharam).
Ba: É impressão minha ou ele acabou de nos chamar de “estúpidas”?
Co: Não é impressão sua, ele nos chamou de “estúpidas”.
F: (engole em seco) Merda. (olha para o céu) Ah, eu não sou um homem religioso, mas se você estiver aí, me salva, Superman!

53.
F: Vem cá, me deixa ler a sua mão.
Co: (puta da vida) Que tal apenas um dedo? O maior de todos.

54.
Co: Felipe? O que você tá fazendo aqui?
F: Eu poderia te fazer a mesma pergunta.
Co: Eu estudo aqui!
F: Eu poderia te fazer uma pergunta diferente.

55.
M(p): Peraí, você tá realmente dizendo que a [gêmea número II] tem namorado simplesmente por que “tá com essa sensação”?
F: Sim, sim.
M(p): Isso é estranho! Normalmente você diria algo como “Eu sei que ela tem um namorado porque ela olha ligeiramente pra esquerda quando tá comendo pão de jiló” ou coisa parecida!

56.
Sorte de hoje: A dança é a linguagem oculta da alma.
F: Minh’alma é muda!

57.
F: Ocupado?
T: Agora sim.
F: Comigo?
T: Não.

58.
P: Sua mãe tem uma espiã na sala?
F: Tem, tem. Desde o começo do outro semestre.
P: Mas pra que isso? Só pra te vigiar durante a aula? Pra ver se você não foge com uma garota magricela, branca, de cabelo preto e que gosta de indie rock?

59.
F: (no MSN) Que milagre! Ainda esta fazendo Sol e você no MSN!
T: É que vim lhe trazer esse humilde presente...
F: Ôpa! Presente sempre é bom! Cadê? Cadê? Peraí, não é mais Cadê, né? Agora é Yahoo. Yahoo? Yahoo?
T: Cê quis demais [com essa triste piada].

60.
Ba: Pois é, eu fiquei sabendo que alguém se deu bem (assovio).
F: (indignado) Você contou pra ela [que nós ficamos]?!
Co: (nem ligando) Que foi? É apenas a [censurado].

61.
Mãe(Ba): Vocês acham que [a minha filha, a qual foi recentemente assaltada] pode estar com SPT?
F: Minha senhora, eu acho que isso é mais sério do que um mero transtorno menstrual.
Ca: (pelo canto da boca) Tente eStresse Pós-Traumático.

62.
F: Eu nunca vou ganhar essa discussão, né?
C: Não.
F: (triste) Que puxa!

63.
F: Aposto um beijo como você me dá um fora.
Desconhecida: Ah, desculpa, eu não faço apostas.

64.
F: Então, como você me descreveria? Lindo? Inteligente? Sarcástico? Irônico? Espertalhão?
Mi (♀): Bobo.

65.
Mi (♀): Memória eidética, aptidão intuitiva, extenso conhecimento de Biologia, Literatura, Geografia territorial, Filosofia, Sociologia, fluência em português, inglês e latim, aprendendo francês e alemão, diabetes mellitus tipo I, miopia, ambidestrismo, restrição pulmonar leve G1, etc, etc. Sério, cara, o que você não tem?
F: (fazendo a cara perfeita) Uma namorada.

66.
F: Sabe, eu não vou mentir, sou um cara inteligente, esperto e sábio, mas às vezes consigo ser tão burro quanto um pedaço de madeira.
J(p): Por que diz isso?
F: Porque cá estava eu dando uma olhada nas universidades que aceitaram o ENEM como Vestibular único e notei que a UFCSPA, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, tinha aceitado, daí fui no Google e digitei o nome da universidade para ver donde ela ficava.

67.
F: OK, deixa eu ver se entendi: você gosta dela, ela gosta de você, mas vocês não ficarão juntas?
Mi (♀): É isso mesmo.
F: Ah, uh, bem, se importa em dizer por quê?
Mi (♀): Ela é crente. O pastor nos condenaria ao fogo do inferno antes do nosso primeiro beijo.
F: Ué, mas eu pensei que vocês já tivessem se beijado!
Mi (♀): Não com aqueles lábios.
F: (sorrindo) Eu já falei que amo esses seus comentários?
Mi (♀): (sorriso maligno) Eu já te falei que nunca vou te deixar assistir?

68.
F: Por que você fecha a porta [do seu quarto, o qual é paralelo ao meu] sempre que eu sento no [meu] computador?
Fa(i): Porque eu não gosto de ter ver.
F: (risos) Essa foi, sem sombra de dúvidas, uma das melhores respostas que eu já escutei na vida!

69.
F: Esse é o café mais fraco que eu já tomei.
Co: Felipe, isso é chá.

70.
F: Ah, o que é isso?
J(p): Bolo de chocolate.
F: Quem come bolo de chocolate às 10h da madrugada?
J(p): Pessoas que gostam de bolo de chocolate.

71.
F: Precisamos tirar uma foto desse momento.
J: Sim, podemos pedir para aquele negão mal-encarado e sem camisa ali tirar para a gente.

72.
F: Ele é seu sobrinho e esta chorando, pegue-o no colo.
Ba: Só por que eu tenho tetas quer dizer que também tenho algum poder mágico sobre bebês?

73.
F: (leva uma bofetada).
Rf(p): Isso foi por ter quebrado o meu coração!
F: Sério? Porque me parece que foi por não ter ligado mesmo sabendo que você ia passar essa semana aqui em Belém.
Rf(p): Não mesmo! Você vai levar esse bofete quando menos esperar!
F: Você sabe que eu tô doente, né?
Rf(p): Você sabe que eu não dou à mínima, né?

74.
F: Ah! Eu sou o Rei do Videogame!
Co: (olhar intimidador).
F: (engole em seco) Um servo leal da Imperatriz.

75.
Co: OK, eu sei que não sou sua namorada ou coisa do tipo, mas você é um homem, então tem de ser atormentado com essa pergunta: no que você esta pensando?
F: Em como não faz sentido alguém tentar dar o golpe do baú em mim, digo, eu sou mais pobre do que as suas opiniões sobre os conflitos geopolíticos no Uzbequistão.

76.
F: (no cinema, vestido com uma camisa social preta e calça jeans).
M(p): O quê, nós vamos pro Roda Pizza, pra [festa de] quinze anos? Pra onde nós vamos?

77.
Pessoal: (ignorando-me).
F: Devo usar a minha invisibilidade para combater o mal ou para ser mal?

78.
F: Ei, fofa, eu preciso falar contigo.
Co: Agora não, eu tô ocupada. Trigonometria. Odeio essa matéria. Isso quer dizer que eu não tenho tempo para as suas bobagens e gracinhas.
F: (exasperado) Mas...!
Co: Nem para os seus comentários sarcásticos e histórias engraçadas sobre o teu primo.

79.
F: OK, eu tenho que ir. Você vai sentir minha falta, né?
Co: Você quer que responda com sinceridade?
F: (olhar de cachorrinho pidão) Nem um pouquinho?
Co: (rindo) Tchau, Felipe.

80.
F: (invejoso) Filho da puta de cabelo bacana!
Primo(Co): Você realmente esta cobiçando o cabelo daquele cara? Cara, eu sou tão gay quanto um pônei rosa e não tenho inveja do cabelo dos outros.
F: Ei, o que há de gay em um pônei rosa?

81.
Fo: E aí, Felipe, há quanto tempo você não dá umazinha?
F: Há uma semana.
Fo: O quê? Você não dá pra ninguém há uma semana?
F: Pois é, né.
T: (risos).
F: Não tem jeito, eu sempre caio na dele e na do pai dele.
Fo: (malicioso) Você sempre cai na minha e na do papai é?

82.
F: (no MSN) Gente, tô com um bebê de dois anos no colo no momento, então cuidado com o que vocês vão falar, OK?
Ju: Que lindo! Como se a gente falasse muita sacanagem!
F: O problema não é vocês. O problema é vocês falarem coisas que eu posso transformar em sacanagem.
Ju: Ou seja, tudo.
F: Ah, nem tudo. Há coisas que nem eu consigo transformar em sacanagem.
Ju&T: Tipo?
F: OK, eu não estava preparado para dar um exemplo.

83.
F: (falando sobre mim) Humm... Homo superior?
Ju: Homo safadus.

84.
C: Felipe, eu estava pensando em você.
F: (empolgado) Estava pensando em quanto eu sou sarcástico, divertido, gente boa, bonitão e charmoso?
C: Não, estava pensando em quando você vai me pagar àqueles almoços.

85.
F: [Meu primo], devolve o meu anel, por favor.
Rn(p): Essa frase ficou estranha.
F: É verdade, vamos fingir que eu nunca falei isso!

86.
P: Mano, posso supor e sonhar, mas não passei pelo que você passou, não vivi o que você viveu.
F: Você quer dizer o conto de fadas transformado em pesadelo com direito a um negão querendo te espancar? Ah, é uma experiência adorável.

87.
F: Meu cérebro é o de um cientista, meu coração é de um artista e minha alma é a de um Rei.
Co: Junta tudo e o que vai dar? Um arrogante de categoria maior.

88.
Jo: Eu acho que estou começando a gostar de você...
Mi (♀): Ótimo. Você vai ter que ficar de joelhos na minha frente e eu vou te amar docemente, e arranhar a tua pele com as minhas unhas, e te lamber todinho, e te comer bonitinho.
F: (tenso) Sério, vocês não poderiam ter aberto outra janela para falar isso?

89.
Co: Você é a minha melhor amiga.
Ba: Você é a minha melhor amiga também.
Co&Ba: (se abraçam).
F: (sarcástico) Esse foi o melhor episódio de Gilmore Girls que eu já vi na vida!
Co: Como se você não gostasse de Gilmore Girls.
F: Ei, Alexis Bledel é muito gata, e a Lauren Graham não fica atrás!

90.
Co: Você realmente acha que tentar corrigir uma besteira com a namorada é a melhor razão para pedi-la em casamento?
F: De modo algum! A melhor razão é gravidez. Corrigir uma besteira vem em quarto lugar logo atrás da vontade verdadeira de pedir a namorada em casamento.
Co: E qual é a segunda razão?
F: (pensa por um momento) OK, eu preciso pensar melhor sobre isso.
Co: Boa ideia.

91.
T: Essas são minhas últimas horas com ela [minha namorada].
F: E você as esta desperdiçando comigo? Nem eu as desperdiçaria comigo!

92.
F: Você realmente só veio aqui hoje pra ver eu brigando com o [censurado]?
Ju: (rindo) Sim!
F: OK, isso é errado.

93.
F: Eu não fico bem em foto assim [tirada de cima].
Ju: Ah, mas eu fico.
F: Puxa, mas quanta consideração, hein!
Ju: (risos).

94.
F: Que você esta fazendo acordado? É sábado, não tem aula, vai dormir!
J(p): É verdade. Ah, quase ia me esquecendo, hoje é sábado, não tem aula, vai dormir.
F: (rindo) O sujo falando do mau-lavado!

95.
*recém-chegado na casa do amigo*
F: (olhando o computador) Puxa, [irmã do amigo], essa tua amiga é linda.
Al(iT): É a [namorada do meu irmão].
F: (olha para o amigo) Mano, tua namorada é linda. Fique feliz.
T: Eu estou feliz.
F: Fico feliz.

96.
P: Por que não baixa músicas há muito tempo?
F: Porque eu estou entupindo o meu HD com filmes.
P: Filmes decentes, ou os que eu assisto?
F: Decentes.
P: Entendo-lhe, mas filmes bons, ou os que você gosta?

97.
F: E aí, camarada, novidades?
JP: Fui em um bar de strip-tease ontem. Foi legal. Gostei.
Mi (♀): Conheceu alguém?
JP: Tem como conhecer alguém em um bar de strip-tease?
F: Ora, claro que tem! Onde você acha que eu conheci a [censurado]?
Mi (♀): Ele foi os piores dois reais que eu já gastei na vida.

98.
Jo: “Se não tem esse, vai esse mesmo”. Essa é a minha filosofia de vida.
F: E também da de todas as mulheres que já ficaram contigo.

99.
J: Me fala uma coisa: como o senhor esta?
F: Com o braço machucado e o ombro mordido.
J: Foi atacado pelo CHUPA CABRA?

100.
J(p): Eu sei que o Gordon faz planos, o Batman faz planos, a polícia faz planos, mas e você, fez o plano da sua vida?
F: Sim. Só que o meu não esta saindo como planejado.
J(p): (risos).

101.
Ju: (falando comigo) Evaristo!
F: Uh, OK, a gente não precisa voltar a fazer isso.

102.
F: Mano? Tá me vendo?
P: Não, você tá no MSN. Não dá pra vê-lo.

103.
F: Por que vocês estão tão pra baixo, hein?
Ba: Porque não tem nenhum casal pra sair com a gente.
Ca: É, perdemos o [censurado]¹ e a [censurado]², perdemos você e a [censurado]³, você e a [censurado], você e a [censurado]... Sério, cara, quando é que você vai ajeitar a tua vida?
F: (confuso) OK, quando foi que a discussão virou sobre mim?

104.
F: (debaixo da chuva e com o pé sujo de terra) Mano, um minuto.
T: (para de andar).
F: (tira a sandália e lava o pé numa poça d’água) Uau! A que ponto eu cheguei? Lavando o meu pé com a água da rua!
T: (risos) Que decadência!

105.
T: Eu ia te dizer alguma coisa...
F: Que eu sou uma companhia muito boa e divertida e um cara bonitão?
T: Não.

106.
F: E o [curso de] teatro?
R: Ainda esta no mesmo lugar.

107.
F: (rindo) Ei, já pode me sacanear é?
PV: São raras as chances, tenho que aproveitar.

108.
F: [censurado] acabou de comentar que eu estou mais bem-humorado e engraçado que o normal.
P: Você pode responder a ela que George Michael lhe mostrou o caminho da felicidade e você esta o seguindo.
F: (risos) OK, me sacaneou bonito agora.

109.
P: Ela [garota em que você esta interessado] não se entrega, mano. Ela é inteligente e recatada. Vê se você não estraga tudo.
F: OK, por que assumiu que eu estragaria tudo? Não responda!
P: (risos).

110.
P: Conseguiu [enviar o meu recado]?
F: Sim, sim.
P: Deu tudinho? Não doeu?
F: Merda! Eu já ia fazer essa piada! Maldita convivência, Batman!

111.
P: E como estar com o holter [glicêmico]? Tá doendo?
F: Parou de doer. Só é ruim quando eu me levanto bruscamente, daí sinto uma pontada de dor.
P: Então você usou o KY que o [pequeno mano messiânico] te recomendou, não funciona direito!
F: Mas eu só tô me fudendo nessa conversa!

112.
F: Mano, tire-me uma dúvida: eu estou com um quê de cinismo hoje?
P: Não, o normal de sempre.
F: Estranho, estou me sentindo cínico hoje.
P: Você esta como todo dia... CÍNICO!

113.
F: OK, verdade ou desafio?
Mi (♀): Verdade.
F: Você já fez um triciclo?
Mi (♀): Você esta me perguntando isso por que eu sou bissexual?
F: Bem, uh, sim.
Mi (♀): Você sabe o que significa bissexual? Não é porque tem um “bi” que... Ei! Você esta tentando imitar a conversa do Wilson e da Treze!
F: (rindo) E teria dado certo se não fosse por essas crianças e aquele cachorro falante!

114.
F: Mano, esta me vendo?
P: Não, você esta no MSN, nem a webcam esta ligada.

115.
Mi: Eu vou [para o show] contigo.
F: Não, não vai.
Mi: (revoltada) Por que não?
F: Porque você vai detestar, vai ficar enchendo o meu saco para ir embora e eu vou ficar puto da vida.
Mi: Claro que não!
F: Você gosta de hard rock?
Mi: Não.
F: De rock ‘n’ roll visceral?
Mi: Não.
F: Então o que diabo você vai querer fazer no show?
Mi: Te vigiar.
F: (suspiro) Você confia em mim?
Mi: Não.
F: (sarcástico) Simplesmente sensacional.

116.
*no final de um aniversário*
F: (olhando ao redor) Uau! Olhar o tamanho [curtíssimo] da saia daquela menina! Nunca que eu ia deixar minha filha sair de casa desse jeito.
Mi: Ela esta usando um short por baixo. (cinco minutos mais tarde, ela me acerta uma pancada forte no ombro) Não olha para a menina!
F: (inocente desta vez) Mas, mas, mas, mas...!

117.
F: (epifânia) Agora que eu entendi porque é remoçada!
Fa(i): Por quê?
F: É a fusão de Remo com “moçada”.
Fa(i): Parabéns, Felipe, agora volte para sua pokébola.

118.
F: Fato notável: primeira vez que você chamou o [censurado] de “meu namorado” enquanto conversava comigo.
Al: Lipe, agora eu tô tratando ele assim, mas é difícil, tipo, pra eu me acostumar a chamá-lo assim, mas é mais bonitinho.
F: Sim, sim, é legal chamar a outra pessoa de namorada[o], embora eu normalmente chame de “namoradinha”.
Al: (risos) Claro! Você só pega novinhas!

1 comentários:

Helder disse...

simplesmente eu me divirto lendo esse blog... XD

Postar um comentário